segunda-feira, 20 de junho de 2011

Ânsia


Ânsia


Que Venha até mim
esse silencio que grita
alucinadamente brincando
com minha vida

que venha sobre mim
esse tempo que dói, que
lamenta,que grita no canto
da boca um grito surdo
de uma dor insurpotável
aos olhos espirituais

que venha esse tempo, esse
silencio, esse grito doído
ou doido na minha sanidade
de ser nem eu bem sei oque

atordoada me faço coisa nenhuma
ou uma poesia pequena, quase nada
quase amena tentando ser o que não sou
ou seria o que eu quero ser?

Brincam comigo de dizer verdades
gritam comigo,sussurrando em meu ouvido
verdades fingidas por pura vaidade

um querer por querer ou
um querer sem querer
querendo falar, querendo encontrar
no fim de tudo
um resto de olhar

um olhar sobre a vida
que triste se vai
fazendo mendigo
quem rico era,
e eu te digo
pensava ser rico
rico de vida, de esperança
e quimera.

Rosane Silveira

2 comentários:

Gledson Vinícius disse...

Olá,

Sou editor do site www.poemese.com e estou procurando novas iniciativas na área da literatura poética. Gostaria de contar com você na busca por pautas e eventos poéticos em sua cidade. Se possível nos envie por e-mail suas sugestões (contato@poemese.com), por twitter (@poemese) ou pelo Facebook (http://www.facebook.com/fbpoemese)
Paz e Utopia
Gledson Vinícius

Poeme-se disse...

Olá,

Sou editor do site www.poemese.com e estou procurando novas iniciativas na área da literatura poética. Gostaria de contar com você na busca por pautas e eventos poéticos em sua cidade. Se possível nos envie por e-mail suas sugestões (contato@poemese.com), por twitter (@poemese) ou pelo Facebook (http://www.facebook.com/fbpoemese)
Paz e Utopia
Gledson Vinícius