sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Retrato de uma poesia ferida


Retrato de uma poesia ferida


Hoje estou assim, meio rima incerta
versos fragmentados de dor
e um pouco, só um pouco de amor

Hoje estou alma vacilante
sorriso amarelo, coração controverso
e um pouco, só um pouco de amor

Hoje estou assim, perdida
em palavras vazias de sentido
de sentimento porém
com um pouco, só um pouco de amor

Hoje estou assim poesia ferida.

Rosane Silveira

Se um dia


Se um dia
olhares pra mim
e não me ver
acredite,
desmanchei-me em
um poema.

Rosane Silveira

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Novo Poema



Novo poema

Um novo poema nasce em mim agora
daqueles felizes, onde a paz
se faz presente trazendo com ele

Um novo dia cheio de luz
de um sol intenso onde pássaros felizes
anunciam um novo tempo

Um novo poema nasce hoje
em meio as palavras que saem
meio que preguiçosamente
de meus dedos também felizes

que escrevem coisas de amor
como músicas embaladas
pela alegria reinante em meu coração.

Rosane Silveira

domingo, 14 de novembro de 2010

E quanto...


E quanto ao vento que sopra?
Deixe-o soprar
apenas sinta o milagre da vida
brotando em ti a cada segundo.

Rosane Silveira

Sonho no coração


Sonho no coração


Há um sonho em meu coração
não me apeteço não
um dia o realizarei
e colocarei a minha mão
nas asas de um anjo
na via láctea em ebulição
um dia tal como ícaro
beijarei o sol
sentirei a maravilha de ser deusa
porém antes menina e mulher que sou
tenho um sonho no coração
e dele não abro mão
quero o mundo em paz
sem guerra, sem violencia ou traição
quero, se possivel, escalar o cume mais alto
me aconchegar em uma nuvem
e ali dormir o sono dos justos
na paz e serena calma que eu mereço.

Rosane Silveira

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Algumas coisas que aprendi



Que a dor, a tua dor, a dor que tu sente com o todo o peso de tua alma
é só tua. Ninguém de VERDADE irá sentir contigo ou até pode se solidarizar
mas ele segue com sua vida e você fica estagnado de tanta dor e porque não,
uma sensação de abandono.
Aprendi que o medo da noite escura e fria nesses momentos de dor é só teu.
O mundo dorme enquanto fantasmas aterradores entram dentro de nossa cabeça
e nos impedem de dormir, mantendo-nos acordados com nossa dor, nosso medo,
com nosso desespero
Aprendi que a vida corre, segue a e gente pra poder acompanhar tem que colocar
nossa dor já tão conhecida, nosso medo da noite escura e o desespero de pensar
não conseguir ir além embaixo do braçoe caminhar mesmo que a passos lentos e
tropegos.
Tu só tu, é responsável por esse sentimento aniquilador, cabe a você a decisão
de tornar-se incrédulo sem amor e sem esperança ou aquele ser que ainda vislumbra
luz no fim do túnel e confesso, minha solidão tem sido minha companhia pelo túnel
escuro e sem vida que estou caminhando.
Confesso também que essa caminhada tem sido demasiado longa. Pedras enormes e
quase intransponíveis tem se colocado diante de mim e acredite queria ter força para
levantar essa pedra e me esconder embaixo dela.
Por favor me escondam um pouco da vida, dessa vida aterradora e doída
Aproveita se puder, me leva a um jardim secreto cheio de lírios e jasmins
com pássaros cantando e borboletas de um azul sem igual que pousem sobre meus cabelos.
Quero aproveitar e me deitar na relva, ver um por do sol sem preocupação.
Fazer uma prece em ode a vida, sem essa contramão de sentimentos doloridos.
Mostrem-me um riacho de águas límpidas onde possa lavar minha alma dessas dores
tão doídas.
Façam uma festa com bastante balões de multicores e muitos amores, aproveita e
brinca de roda com minha alma de criança.
Falem do amor de Deus, do amor condicional. Falem algo mágico que tire essa dor
de mim.
Dia 02/09/2010 às 00:50 de uma noite triste demais

Rosane Silveira

Absolutamente


Sou absolutamente extensa
minha alma é louca
vago pelas noites sem fim
pelas esguelhas da vida
sem pedinte e sem perdão
louca anuncio sem nenhuma piedade
nem de mim mesma: eis-me aqui
venham sem perdão
se quiserem aniquilem o resto que há em mim
talvez quem sabe o meu coração
ou talvez um pouco de palavras vazias
nuas...desprovidas de sentimentos e sensações
e acreditem: apesar disso eu VIVO
vivo eloquentemente
às vezes implorando até o perdão de mim mesma
na contramão de meus sentimentos
e talvez até aceite um pouco de solidão.

Rosane Silveira

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Achega-te


Achega-te

Achegue-se,
deixe-se ficar
há um tanto
de tristeza em meu olhar
os pés um tanto cansado
de tanto vagar

mas se olhares bem
um tantinho além
verá em mim um amor imenso
daqueles que ninguém pode negar

Vem achega-te a mim
e deixe-se ficar
mão com mão,
olhar com olhar
e um coração inteiro para dar.

Rosane Silveira

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

A glória da amizade


A glória da amizade

Ter amigos é assim
um olhar confiante no futuro
e mãos dadas ao rumo certo
do coração do outro

Ter amigos é assim
compartilhar sentimentos dos mais misturados
algumas dores e muitas alegrias
e sentir a mão do outro
forte segurando a minha

Ter amigos é assim
chorar no ombro do outro
rir da barriga doer
e compartilhar tudo de bom ou tudo de ruim

Ter amigos é assim
como você é pra mim
por isso te agradeço com alma regozijada
por todo esse carinho que tem tido comigo
nessa nossa caminhada

Rosane Silveira

Ancorados


Ancorados

Estamos ancorados um no outro
olhares fixos no horizonte,
coração tranquilo em mar calmo

Céu de um azul sem igual
nada aqui parece normal
todo dia é um NOVO dia
cheio de esperança e alegria

Vivemos em total harmonia,
a esperança de dias melhores
ainda permeia nossos olhares,
Mas haveria dias melhores que esses?

Um mundo inteiro a desbravar
um oceano de novas possibilidades
muitos entardecer a beira - mar
e muito amor no ar.

Rosane Silveira

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Tempo


Tempo

Quanta alma ainda há em mim?
Quanto ainda há de se perder por ai
nas esquinas da vida que flui sem
ao menos me dar a chance de parar, esperar...
O que ainda está por vir?
Olhos fixos no espelho do tempo
coração na contramão de mim
e eu sei que essa ansiedade
ainda será meu fim.
Braços abertos em direção ao vento
que flui por entre meus dedos
tal como o tempo que escorre de mim.

Rosane Silveira
www.rosanesilveira.com.br

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Pinguinho de amor



Eu deixei cair
um pinguinho de amor aqui
e a alma da Terra
o acolheu e tudo de novo floresceu.

Rosane Silveira

Falar de amor


Ela tinha um nome
não me lembro bem era algo como Maria
como muitas Marias que há por ai
tinha um coração bom , uma alma pura, um doce de pessoa
vivia aqui e ali perdida no meio de si mesma
falava de amor aos outros e dizia que era tudo
o que importava
era alguém feliz, coitadinha na sua ilusão de vida doce
alguém um dia disse a ela que era engano a presunção
de felicidade e ela continuou insistindo
falando de amor a toda cidade
levava a palavra de Deus aos homens
sentindo que tinha como missão
ter nos olhos a esperança
e nas mãos o coração
alguém um dia a parou e perguntou:
porque falas tanto de amor?
Jesus não vai voltar nem perdoou?
Aquela senhora então disse:
meu mestre assim ensinou
Amarás a teu próximo como a ti mesmo
e a ele falarás do meu amor.

Rosane Silveira

Indecisões


Indecisões

Não há nada que dure para sempre
nem uma alegria, uma tristeza
um olhar vazio pousado
no café sobre a mesa

Nada dura para sempre
nem esse coração descompassado
o sorriso meio de lado
e a paixão dos amantes

Nada dura para sempre
nem essa dor infinda
que me culmina e tira de mim
o meu melhor - o meu amor.

Nada dura para sempre
nem uma boa corrente de emoções,
delírios e sensações
que me deixam cambaleando pelos cantos de mim.

Ainda assim desconfio que há em mim
uma tristeza que durará uma eternidade
algo que não sei bem o que é
talvez um pouco de piedade pelo que fui
e pelo que ainda virei a ser.

Nada dura para sempre - talvez nem essa tristeza...

Rosane Silveira

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Sou amor


Sou amor

Não há nada em mim
que tu ainda não saiba
hoje sou a transparencia
do mar calmo que mavegas
sou brandura e bem querer
alegria pra valer
Hoje sou calmaria,
tempo sem ventania
hoje sou tu,
que entranhou em mim
hoje sou AMOR.

Rosane Silveira

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Alma Livre



Alma livre

Deixe tua alma livre
teu coração cantando
a ventura de sentir-se amado
deixe tua alma gritar
aos quatro cantos do mundo
esse amor que tu sentes
abra teu melhor sorriso
dance com a vida a ciranda
de roda mais querida
exploda teu coração
em um extase puro de amor
encante-se sempre com um amanhacer
ensolarado e uma noite enluarada
cante canções sem menos esperar
assobie mesmo que não saiba
sonhe...
vibre...
ame e
seja feliz!

Rosane Silveira

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Diz pra mim


Diz pra mim

Diz pra mim, em que versos te perdi
em que ruas fostes andar
em meio a esse teu mar de amar
o inevitável suspiro de gozo que
permeias na noite escura
que segue com teu desejo latente
e um tanto ausente
diz pra mim o que tem feito enquanto
comigo não fica e não grita
enquanto não suspiras em delirios de
um amor insano, louco e um tanto profano
diz pra mim, palavras de carinho em
meio a vontade de transar
e de marcar minha carne com tua boca
indecentemente suja de tocar minha carne
mais do que louco
vem diz pra mim
o que te faz andar por ai
sem pensar no que vivemos
e sem querer sequer repetir
a dose de amor que te dei
naquela noite em que nos perdemos
e nos tivemos
em um momento lúdico em que tu disses:
tu és minha mulher.

Rosane Silveira

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Outra metade


Outra metade


Eu venho de alguns momentos de solidão
daqueles que vez ou outra me deparo com
minha outra metade, aquela que se esconde
debaixo da tristeza
ela é uma brincalhona, vive se escondendo de mim
e quando eu penso assim:
não vou ser mais feliz
ela aparece e me faz sorrir
brinca de faz de conta
que a vida é bela
e pela fresta de minha janela
vejo um mundo todo azul
de estrelas cintilantes pelo ar
vejo também algumas nuvens
de um branco encantador
como pode em minha outra parte
se esconder tanto amor?

Rosane Silveira

quarta-feira, 26 de maio de 2010

ENTREVISTA COM A POETISA ROSANE SILVEIRA



ADORARIA TER VOCÊS CONFRATERNIZANDO COMIGO NESSA ENTREVISTA QUE FOI MARAVILHOSA
ENTÃO SEGUE ABAIXO O LINK DA ENTREVISTA (COPIA E COLA EM SEU NAVEGADOR, NÃO CONSEGUI COLOCAR O LINK)

COMUNIDADE PALPITEIROS VIRTUAIS DO ORKUT

Link da Entrevista
http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=40793810&tid=5474876528276712070&start=1

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Ves



Ves


Ves, há ainda um pouco de amor
aqui em mim, em meio a esse monte
de escombros e de dores infindas
há ainda um quê de cumplicidade
com a vida
que às vezes mesmo bandida
me dá a mão e me incita a caminhar
em meio as dores do mundo
mas ai eu me fecho, me tranco em meu
mundo...um mundo que só eu conheço
que ainda tem pássaros cantando
flores crescendo e um entardecer só meu.
ves, há ainda um pouco de amor em mim.

Rosane Silveira

terça-feira, 18 de maio de 2010

Acabou


Acabou

e nosso amor foi indo,
e ficando apenas nós e os risos amarelos
as frases inteiras foram dando lugares
as meias palavras, foi
meio que desaparecendo os desejos,
as vontades, os pormenores,
as vozes...sumindo...
indo...
consegues ver luz..onde só sombras estão hospedadas
e fazem morada..
só silêncio, um eco silencioso
quase um grito no silêncio de nossas palavras
porém um risco de voz...ainda teima..
repercute...sonolento...inaudível...
acabou.

Rosane Silveira

preguiçosamente


Preguiçosamente a manhã chega
em direção a noite que vai de mansinho
trazendo com ela o sol, o canto dos pássaros
um novo amanhecer

Meu coração em paz está
por esse dia estar sendo assim
manso, sereno e de paz infinda
tendo-te aqui perto de mim

Que o amor achega-te a ti
trazendo todo o encantamento
de um novo renascimento
e tu chegues ao fim do dia
com alegria infinda.



Rosane Silveira

Desejo de Mulher


Desejo de Mulher


Quero mexer com tua libido
falar em teu ouvido
palavras cruas, sujas e nuas
beijar teu corpo sem vergonha
sem decência, sem medo e com descrença

Quero encontrar-te na noite nua
e ver teu corpo nu vagando em minhas curvas
em meu corpo me sugando a alma
me deixando assim devassa, safada, sacana, pirada

Abrir minhas pernas nuas, deixar-te entranhar
em minha vida, tomando meu corpo de assalto
percorrendo minha alma perdida
desiludida, caida no vão da noite que vai

Quero fazer-te meu por um momento
um instante, uma noite
um qualquer um, apenas pra satisfazer
meu desejo de mulher.

Rosane Silveira

Gozo das palavras


Gozo do mundo

Ela ia enchendo a boca de palavras sujas
enquanto o mundo vagava no escuro da noite
ela sozinha no quarto escuro
quase imundo pelo mundo lá fora que goza
desprovido de interesse maior
foi guardando dentro dela o pior do mundo
a escória da humanidade
ela ali...sozinha
lá fora...o mundo
eles dois...sozinhos
ela e o mundo
mundo e ela...


Rosane Silveira

Apenas um fragmento


Se houver vida, além dessa triste vida
que seja agora, já..
minhas urgências me impedem de esperar
que venha sem anunciação
e me puxe pela mão rumo as loucuras desvairadas
nem tão pouco censuradas
venha vida...venha com pressa e com um riso de
surpresa e contentamento no olhar...
venha vida...venha sem vagar
venha logo me fazer apaixonar.

Rosane Silveira

Gotas de Deus


Gotas de Deus

Bálsamo redentor ò Deus é teu amor
saciada estou de tuas benesses em minha vida
Atenta-te os teus ouvidos à minha prece
hoje refeita estou em ti Senhor
que me ungiu do alto da cabeça a planta dos pés

Tranquilo é saber que ti ò Pai
está aqui habitando entre nós
e nos tornando fortes em amor
sacia nossa alma, liberta-nos em amor

e então eu saberei que gotas do teu amor
serão derramadas sobre minha destra
e eu serei redimida por ti que de gota em gota
se fará presença viva em mim.

Rosane Silveira

Fragmento


...e tal como o novo dia que começava ela ia renascendo
plena de luz, uma luz intensa a envolvia
sabia que seria diferente...que aquele seria seu dia
e começou a caminhar rumo ao romper da aurora
e quanto mais ela andava mais sentia que seus pés a levaria
ao encontro de um desconhecido acontecimento
e ela caminhou a certeza de que hoje seria feliz.

Rosane Silveira

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Unificação (Poema à minha mãe)


Unificação

Foste um dia um embrião
e tal como o mistério da vida
foi crescendo no ventre de tua mãe
alimentou-se de seu amor
foi cuidada, com zelo e desprendimento

nasceu, linda e forte
e tal como era, cresceu
tornou-se uma menina
que de tão linda eterneceu
até os mais duros corações

Um dia tornou-se mulher
linda, faceira, feminina doce
ser que encantava aos homens
que por ti passava...

até que um dia um homem a fez parar
tremer, se apaixonar e então
a ele se uniu em amor, dedicação
e sua vida então completa se tornou
mas não ficou por ai era necessário

que a unificação com o criador se fizesse
completa, deu de ti o mesmo desprendimento
e amor que tua mãe, gerando em teu ventre
um novo amor, um ser que a ti se tornou tudo
de mais precioso que podia existir

e então fez-se a roda da natureza
mãe que gera mãe é a mais especial
das missões que Deus em sua sabedoria
sabia ser a maior das realizaçoes
que ele podia ter.

Unificou o ser.

Rosane Silveira

terça-feira, 4 de maio de 2010

Silêncio


Silêncio

...E foi feito um silencio
daqueles absolutos
quase pode se ouvir
o murmúrio triste do vento
que ia lá fora na noite escura
foi feito um silêncio, não um silencio triste
mas um silêncio de contemplação
do amor que ora se fazia
na noite que ia fria
depois de suspiros loucos de amor
os corpos silenciaram e ficou ali
na noite dois amores fundidos
na noite fria que se seguia
alheia ao fogo incessante do amor
que ardia naqueles corações
enamorados.

Rosane Silveira

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Quando o amor cala


Quando o amor cala

Nada foi dito nada...
os olhos deles não teriam mais o que dizer
mediante tanta beleza de se ver
olharam-se como que pela primeira vez
que viam tamanha beleza de corpos nus
sentiram-se e amaram-se com uma ternura intensa
e quando os olhos não mais puderam falar
choraram uma alegria nunca visto de saberem-se amados
e um êxtase pleno de vida se rompeu e gritou na noite
que ia enquanto eles silenciavam.

Rosane Silveira30042010

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Constatação


...e então
soprou dentro de mim
um vento de uma ternura intensa
e pude constatar com certa surpresa
- é amor

Rosane Silveira

Talvez


Não, não tem nada a ver com dor,
é um pouco...
só um pouco de tristeza no olhar
daquelas que escorrem pelo canto do olho
sem ninguém perceber.
É um aperto leve no peito quase que sem notar
talvez seja uma saudade de não sei o que
um amor que foi sem deixar rastros ou que chegou
sem que percebesse e se instalou trazendo com
ele a intranquilidade de um novo amor
talvez seja uma inquietante busca de mim que
que se perdeu por ai
talvez...

Rosane Silveira

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Dor


Não, não me falem hoje de amores
hoje meu coração está quebrado
amargurado, um tanto de tristeza em meu olhar
não me peçam um poema contente
talvez eu te dê um pouco de demência
daquela que hora ou outra me afronta
e me deixa assim...como estou
talvez quem sabe o roçar da asa de um anjo
me faça repensar um poema bom
ou não?
quero hoje a vida perdida, bandida, indecisa
alguns palavrões no canto da boca pronto pra explodir
em desalinhas palavras
quero um coração quebrantado não esse desarvorado
pronto pra implodir um choro triste
por favor, alguém me tire daqui dessa dor de mim!

Rosane Silveira

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Oração feita pelas vítimas da tragédia do RJ


A tragédia provocada pelas chuvas que caem no Estado do Rio ganhou contornos mais dramáticos com o deslizamento de cerca de 50 casas, na quarta-feira, no Morro do Bumba, em Niterói.

O Estado registra 182 mortos, mas o número pode dobrar. Segundo os bombeiros, cerca de 200 pessoas podem estar sob os escombros do deslizamento.

O prefeito de Niterói, Jorge Roberto Silveira (PDT), decretou estado de calamidade pública. As chances de encontrar sobreviventes no Morro do Bumba, no Viçoso Jardim, são remotas.


Acolha-me ò Deus nesse momento de contemplação do teu amor
onde o mundo lá fora chora a dor do irmão
apazigua Senhor os corações atormentados pela dor
dá a cada um o conforto do teu amor

Aconchega junto a teu peito aqueles que daqui se foram
atordoados pela dor de se ir assim de forma imediata
arrebatados pela avalanche de tristeza e dor
vidas ceifadas de forma torpe rompendo laços de muitos amores

Hoje mãe choram seus filhos, pais suas filhas
mulheres seus maridos e avós e avôs seus netos
tranquiliza Senhor esse coração atordoado
por ainda não saber o que se passa

Ó Deus de compaixão toma em tuas mãos essa nação
fragelos humanos tem acontecido, casas indo por água abaixo
lares desfeitos pela ação do homem corrompendo o seio da terra
desequilibrando o mundo em ascensão rumo ao teu amor.

Senhor tende piedade de nós.

Rosane Silveira

terça-feira, 6 de abril de 2010

Aquietei


Hoje me aquietei, vendo a chuva cair
torrente de águas lavaram minha alma
de tantas emoções desvairadas
não estava nem triste nem alegre
apenas precisava parar, olhar em volta,
olhar a vida e ficar
deixei fluir, deixei levar, deixei-me ir
guiando-me pelo amor que me leva
sussurrei ao vento uma canção de ninar
pedi afago a nuvem fofa do céu
e fiquei ali paradinha...vendo a vida seguir.

Rosane Silveira

terça-feira, 30 de março de 2010

Tempo


Tempo

Existe um tempo
e esse tempo é teu
e também é meu
por ser do mundo
tempo que vai
tempo que vem
tempo de ver
de rever
tempo de ir além
tempo de ser

ou de não ter
nenhum tempo mais
como há tempos atrás
em que o tempo era demais
e hoje, escasso,
hora não mais se faz
a tempo.

Porém ainda há tempo
tempo de amar
sorrir, sofrer
aprender
tempo de querer
um tempo a mais
um átimo que seja
oportunidade benfazeja
nessa vida que se esvai. . .


Rosane Silveira & J.L. Semeador de Poesias

segunda-feira, 29 de março de 2010

Estejamos atentos


Estejamos atentos


Dirijam vossos olhos
para o que é bom
que vossas bocas pronunciem
palavras de amor
e seus corações estejam
impregnados do amor fraternal

Que sejam vossos pés
firmes no andar
e vossas mãos livres
para ofertar ao irmão
necessitado tão somente de ser amado

Aquieta teus ouvidos
ao que não te convém
muitos falarão coisas que
não gostarás guarde em teu coração
só o que te acrescentar

Enfim, que vosso corpo seja luz
para os irmãos de caminhada
que vossa alma seja doce de um mel
inigualável para que possas cantar
a canção de paz no mundo.

Rosane Silveira

domingo, 28 de março de 2010

Quando Deus silencia


Quando Deus silencia

Um mar, uma canção,
um luar, noites
estreladas de outono
alguém compondo um poema

e...

em algum lugar
uma criança e sua boneca
sorrindo feliz
num parque a brincar

jovens enamorados
passeando de mãos dadas
eternizando o momento
conjugando o verbo amar

um ancião caminhando
à passos curtos, vai andando
pelas alamedas do tempo
com sua sabedoria infinda

é, nessas horas Deus silencia.

Rosane Silveira

quarta-feira, 24 de março de 2010

Perdas e tristezas


Perdas e tristezas

Estou deixando a tristeza me dominar
estou deixando as lágrimas me vencer
não estou conseguindo me levantar
sinto que vou esmorecer

as forças que tinha se foram
hoje nem sei de todos meus amores
sonhos ficaram lá trás
hoje nem me lembro mais

nem de ilusões hoje vivo
a realidade cruel se faz presente
então apenas sobrevivo
de sentimentos tardios
e mares bravios

tudo acontecendo
vida se rompendo
e eu me perdendo
de mim...

Rosane Silveira

Reinante


Reinante

E eu que pensei que
bastasse sentir amor
pra se sentir plena
reinante absoluta de minha paz
quão tola sou
ai que começa os problemas
as confusões e as dores
amar é complicado
martiriza a alma e aniquila
com o ser
pensamentos ficam tumultuados
e coração aos frangalhos
quando não se é correspondido
então - sobra solidão
sobra noites mal dormidas
manhãs sem sol e toda
uma tristeza que te acompanha
por todo o dia...
Hoje sou reinante absoluta
de meus questionamentos
de minha alma conturbada
preciso me reestruturar
me refazer me levantar
pra voltar.

Rosane Silveira

Desgoverna-me


Desgoverna-me

Desgoverna-me inteira
bambeia minhas pernas
com teus carinhos loucos
encosta tua boca em mim
me deixando assim
meio zonza

desgoverna-me inteira
com tua voz me pedindo mais
com teus olhos me fitando
enquanto me dispo pra ti
e te faço pleno, homem-amante

desgoverna-me indecentemente
e vorazmente enquanto me sugas
a boca e me morde o lábio

desgoverna-me constantemente
nesse desejo louco que envolve
a gente sempre que cruzamos
nosso olhar

desgoverna-me doce amante
que me espreita no canto da vida
no canto da rua, no canto da minha
sina de amar-te e desejar-te

desgoverna-me homem indecente
envolvente e quente que vem sobre
mim me deixando assim,
indecentemente tua, indecentemente
nua...

desgoverna-me...

Rosane Silveira

Fiz-te um poema triste


Fiz-te um poema triste

Fiz-te um poema essa noite
era um poema triste
que falava da solidão
e abandono

Fiz-te um poema triste essa noite
e na tristeza do poema estava
a desolação de me sentir perdida
longe de ti

Fiz-te um poema triste essa noite
com cara de poesia porém a tristeza
era visível nos olhos do poema

Fiz-te um poema triste essa noite
e nele deixei derramada toda dor
de te perder em meios aos versos
de um poema triste.

Rosane Silveira

A ironia da despedida


A ironia da despedida


Entre um aroma
e outro das flores
vou desfolhando
meus amores

Entre um sim e
um não dito
vou mesclando
um sorriso

entre a palavra
que ficou por ser dita
e a insanamente proferida
deixo minha saída

Entre tu e eu
não ficou nada
nem a despedida...

Rosane Silveira

terça-feira, 23 de março de 2010

Noites de outono


Orvalhos caem pelas pétalas das flores
nas noites frias de outono
um tom bucólico , dá beleza a noite
que sem ti se vai
calma e branda noite de amor
ao som das folhas caindo e dos vaga-lumes
que com um toque clareia
as folhas das flores que ainda restam
bendito seja o amor da noite outonal
que vivifica tudo a sua volta
dando luz, calor e cor ao mundo
antes triste, opaco e sem vida.
doce amor de outono
que não seja uma quimera
o amor que hoje vive
depois de tanta espera.

Rosane Silveira

Aconchego


Aconchegue-me junto a ti
minha alma cansada de vagar
por um mundo de ilusões
onde os amores são vãos

aconchegue-me junto a ti
e me fale de coisas boas
da alegria de dançar na chuva
de um lindo por do sol

aconchegue-me junto a ti
e fale manso ao meu ouvido
palavras de amor vindo
do teu coração

aconchegue-me junto a ti
e deixe teu corpo pousar
ao meu lado num abraço
terno depois do amor feito

aconchegue-me junto a ti
nesse encontro único, sereno
pleno de sentimento onde
o amor maior é o fundamento.

aconchegue-te a mim e fique
por pouco ou muito tempo...
mas só te peço aconchegue-te
agora, vem de pressa sem demora.

Rosane Silveira

Auto-crítica


Quanto mais me conheço
menos me entendo
vislumbro incertezas dentro
do túnel de mim
aniquilo vez por outra com meus sonhos
sou assim...
minha irmã a auto-crítica
me acompanha todos os dias
minha amiga inseparável que se torna
vez ou outra minha pior inimiga
faço dela meu ponto de sensatez
me esquivo de vez em quando
mas sempre volto pro meu abandono
de ver no espelho a auto-crítica me apontando.

Rosane Silveira

quarta-feira, 17 de março de 2010

Caminho do amor


Caminho do amor


Eu sei que vou me perder
em algum momento de minha vida
em algum novo andar
eu vou seguir por um caminho nunca antes ido

Irei ter um caminho de sonhos bons,
de paz após tempestade
de melodioso cantar de pássaros
eu vou seguir, sem pressa de voltar

Eu vou seguir e esse caminhar será sereno,
leve, onde me sentirei flutuando
em nuvens de suaves matizes contrastando
com um céu azul nunca visto

Tentarei parar esse caminhar, acharei que
me perderei, indecisões em algumas bifurcações
e eu, sem saber onde ir continuarei caminhando
sentindo em mim alegria infinda e certeza da chegada

Que caminho percorrerei?
Por quais lugares andarei
Você não sabe? eu te direi
andarei por um caminho que me levará a ti meu amor.

Rosane Silveira

domingo, 14 de março de 2010

Oração da alma



Ò Deus de infinita bondade
dai-me um pouco de tua grandeza
só o suficiente pra que a vaidade
não me entorpeça

Agrega a mim um pouco de compaixão
pra que eu possa
auxiliar o meu irmão
estendendo minha mão

Cega meus olhos a toda inveja
dai-me tão somente o que mereço
talvez um pouco do teu amor
mesmo eu sendo assim tão travesso

A minha boca, cala Senhor
quando eu for um caluniador
que eu lembre de ti que me aceitou
assim tão pequeno como estou

Enfim Deus de compaixão
que eu sempre em oração
evolua sempre e mais
caminhando em tua paz.

Rosane Silveira

sábado, 13 de março de 2010

Desejos





Tuas mãos tateiam meu corpo
sinto um leve torpor na alma
tua pele a roçar a minha
despertando em mim meus desejos mais íntimos
sentindo tua voz a me embriagar de paixão
delírios e desejos percorrem todo meu corpo
enquanto me tocas e te sinto...
presente...forte e firme
mesmo estando ausente.

Rosane Silveira