quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Poema de um amor só

(solidão alquímica)

Que o meu amor te surpreenda
nessa manhã que amanheceu triste
sem tua presença
e teus olhos vislumbrem o meu eu
como sou, mesmo a distancia
que tua boca fale palavras de amor baixinho
ao vento
e teus olhos fitem os meus
mesmo em teus sonhos
e por fim, tua mão pouse sobre a minha
nessa angustiante solidão que me mata
cada vez que penso em ti.

Rosane Silveira
às 12:47 do dia 14/09
(proteja os direitos autorais)

Um comentário:

Fabiana Buono disse...

você é surpreendente querida !!!

agora que te descobri aqui putz vou vir sempre prestigia-la !!

beijos